EXPERIÊNCIA COMUNITÁRIA

3ª REUNIÃO: MOTIVAÇÃO - "REDESCOBRIR O AMOR"

ROTEIRO

1. CANTO INICIAL
2. INVOCAÇÃO À TRINDADE / ORAÇÃO AO ESPÍRITO SANTO
3. ORAÇÃO: - Texto de meditação: 1Jo 4, 10-16
- Meditação Comunitária
- Oração Espontânea sobre o texto lido
- Intenções particulares
- Oração litúrgica
4. CO-PARTICIPAÇÃO
- Este é o momento em que vamos colocar para o nosso cônjuge aquilo que descobrimos dele. Teremos um momento para cada casal conversar e falar para seu cônjuge quem ele é, na sua visão. O outro vai ouvir simplesmente, não é momento para contestar ou discordar. Em casa poderão fazer isto.
-No outro momento cada pessoa vai colocar para o grupo 3 qualidades do seu cônjuge. Os defeitos ficam só entre o casal (por enquanto ... teremos muitas outras oportunidades para esse "desabafo").
5. TEMA DE ESTUDO "REDESCOBRIR O AMOR"
Vocês receberam esse texto com antecedência e tiveram tempo para refletirem juntos.
É chegado o momento de colocar para os irmãos o que desse texto tão rico se encaixa na realidade de vocês.
6. TAREFA PARA A PRÓXIMA REUNIÃO
Ler e refletir em casal o texto "A ARTE DE DIALOGAR" (texto 5)
Responder por escrito (e levar na próxima reunião):
- Para vocês o que é dialogar?
- Qual a importância dele na vida conjugal e familiar?
- Quais as maiores dificuldades que vocês têm para dialogar?
7. AVISOS
8. CANTO
9. ORAÇÃO FINAL
10. LANCHE

Texto 05

A ARTE DE DIALOGAR

Vivemos num mundo carente de diálogo e onde o diálogo é essencial na vida das pessoas, principalmente no nosso tempo.
Mas o que é diálogo? É antes de tudo conversa entre duas ou mais pessoas, mas não uma conversa corriqueira, sem compromissos, é buscar conhecer o outro naquilo que ele é e dar-se a conhecer, sem discutir e sem querer impor idéias. É saber argumentar para poder convencer o outro, sem no entanto querer que a "minha verdade" seja aceita, porque muitas vezes o outro é que está certo, está com a verdade. Portanto dialogar é uma arte, ouvindo-o, para descobrir a riqueza que existe nele.
Dialogar é ouvir e é falar, para também revelar o que há em mim, que pode servir para crescimento e mudança do outro.
Para amar é preciso dialogar, porque só amamos as pessoas que conhecemos: ninguém ama o que não conhece.
Diálogo é também crítica, mas crítica que constrói. Portanto para haver diálogo é necessário:
• Equilíbrio Emocional (saber equilibrar seus impulsos)
• Maturidade (saber como, quando e o que falar)
• Respeito Mútuo (saber aceitar o outro como ele é, procurando mostrar-lhe o que precisa ser mudado, sem ferir sua individualidade)
• Abertura de coração (saber desarmar-se para poder também ouvir, receber críticas, sem se magoar)
• Humildade (saber reconhecer seus erros, sem querer justificar-se: "Eu sou assim"... Todos nós podemos e devemos mudar)
• Disponibilidade de Tempo e de Atenção (saber reservar um tempo para o outro e prestar atenção ao que ele diz. Muitas vezes "escutamos" mas não ouvimos o que o outro tem a nos dizer)
Para um diálogo verdadeiro não devemos "remexer" no passado, em fatos consumados, onde é impossível remediar situações. Precisamos dialogar sobre fatos presentes e construir o futuro: isso é a arte de dialogar: tentar buscar soluções sem agressividade e medo.
Dialogar só tem sentido se for para buscar a unidade.
Falemos mais detalhadamente do diálogo a dois entre casal, porque ele é a base da harmonia conjugal que tanto buscamos no casamento.
Em primeiro lugar precisamos ter consciência de que somos pessoas únicas e diferentes. Diferente pelo simples fato de sermos homem e mulher. Isso supõe que no nosso diálogo, no nosso relacionamento de marido-mulher, sempre haverá pontos de vistas diferentes, mas que devem levar para descoberta da Verdade, da nossa Verdade, porque estamos dia a dia, construindo a nossa vida a dois, que vai sendo moldada de acordo com o modo próprio de cada um ser.
Nem o homem nem a mulher, no casamento como sacramento, sinal de Deus em suas vidas, pode perder a sua identidade, a sua individualidade. São pessoas
diferentes buscando uma unidade, um modo comum de viver em harmonia, com respeito e aceitação, construindo juntos a vida.
Num diálogo em que não há pontos de vista diferentes, é porque um se anulou, aceitando a dominação e imposição do outro. Então aí não há crescimento, não há vida.
É preciso aceitar as diferenças e procurar levar o outro a mudar naquilo que precisa ser mudado, para o crescimento dele e não naquilo que queremos que seja mudado, porque nos incomoda. Podemos conviver com as limitações do outro, desde que isto não prejudique a harmonia conjugal. A renúncia é fator importante no relacionamento, mas não pode ser anulação da pessoa. Cada um tem de se valorizar, para ser valorizado pelo outro.
Portanto, o diálogo passa a ser processo de mudança porque vai nos levando a perceber o que deve mudar no nosso modo de ser e de viver. Dia a dia percebemos os fatos acontecidos, de maneira diferente, porque vamos dia a dia nos amadurecendo. Isso tudo deve ser levado ao diálogo, comunicando ao outro nossas novas descobertas e tentativas, para que o cônjuge perceba, conheça e acompanhe o nosso desenvolvimento, o nosso caminhar. Os casamentos mais duradouros e felizes não são aqueles entre duas pessoas orgulhosas, que não voltam atrás, nem reconhecem seus erros.
A personalidade que devemos desenvolver no casamento é aquela que acolhe cada situação como novidade, para poder acolher o outro na sua vida, a cada dia.
É fundamental na arte de dialogar reconhecer que o outro não sou eu, que é ele mesmo, com seus próprios caminhos, os quais eu preciso conhecer, mas não traçar.
A vida a dois é um caminhar. Aos poucos se chega lá, porque o mistério de uma pessoa é inesgotável.
No relacionamento a dois precisamos e devemos valorizar o outro e sermos valorizados. Para isto é importante que no diálogo sejam colocadas mais as qualidades que os defeitos. Assim, pouco a pouco, o bem que se faz é percebido e vai substituindo o mal.
Existem vários níveis de diálogo conjugal:
• Diálogo verbal - o que foi abordado acima, onde cada um, pela conversa, dá-se a conhecer e conhece o outro.
• Diálogo não-verbal - que se faz através de gestos, olhares e atitudes.
• Diálogo sexual - através dos corpos.
• Diálogo com Deus - através de oração.

Vamos refletir sobre o Diálogo não verbal e o Diálogo com Deus, deixando o diálogo sexual para a próxima reunião, onde falaremos de Sexualidade como meio de também conseguir a harmonia conjugal.


DIÁLOGO NÃO VERBAL

Por vezes não basta o diálogo verbal, a conversa, para o conhecimento profundo entre os cônjuges.
Através de gestos, atitudes, olhares, podemos também exercitar a arte de dialogar, porque o ser humano tem necessidade de sentir-se amado através da ternura.
A ternura é um diálogo sem palavras, é aceitação do EU TE AMO", significando a decisão de sair de si mesmo.
O importante é o casal assumir-se, comunicar-se com ternura.
Essa manifestação do amor através de gestos, olhares e atitudes nem sempre é fácil, porque é algo que compromete, que nos obriga a exprimir verdadeiramente o que sentimos pelo outro através do toque de amor. É verdadeiramente dar-se ao outro, fazê-lo sentir-se amado e querido. É a forma mais sincera e mais gostosa de manifestar o amor. É "namorar" sempre, mesmo na frente dos outros, especialmente dos filhos. Eles precisam sentir esse ambiente de carinho, de bem querer, para terem segurança no seu lar. O casal precisa manifestar aos outros que a felicidade é possível e existe para eles.

DIÁLOGO COM DEUS

Quando o casal se esforça nos vários níveis de diálogo, descobre que a vida é um caminhar junto, que somos peregrinos a dois e que é caminhando que se abrem os caminhos... Aí o casal percebe que não se basta, que seu casamento é GRAÇA. E DOM DE DEUS e sentem necessidade de buscar algo mais sublime: a presença de DEUS em suas vidas. O próprio esforço a dois de caminharem juntos na busca da unidade e harmonia, já é uma busca de DEUS e ELE vem ao nosso encontro e nos atrai. Surge a necessidade de diálogo com ELE através da oração pessoal e conjugal. É o diálogo com DEUS na presença do outro. É colocar nas mãos do PAI as nossas angústias, medos, esperanças e projetos, porque o nosso projeto de vida a dois, redescobrindo nosso amor a cada dia, através do diálogo profundo e aberto é parte do projeto de Deus para nós, casal.