EXPERIÊNCIA COMUNITÁRIA

5ª REUNIÃO: MOTIVAÇÃO - "O DIÁLOGO DOS CORPOS"

ROTEIRO

1. CANTO INICIAL
2. INVOCAÇÃO À TRINDADE / ORAÇÃO AO ESPÍRITO SANTO
3. ORAÇÃO: - Texto Bíblico: 1Cor 7, 1-7
- Reflexão feita pelo casal coordenador
- Oração espontânea sobre o texto
- Intenções particulares
04. CO-PARTICIPAÇÃO
Refletimos sobre a importância da sexualidade na nossa vida conjugal, ela traz HARMONIA? Por que? Vamos colocar em comum o que refletimos a dois.
05. DIÁLOGO CONJUGAL - (para casa)
Nós vamos fazer um DIÁLOGO CONJUGAL na presença de Cristo, que desde o dia do nosso casamento se faz presente na nossa vida a dois, é na presença d’Ele, portanto a três, que acontecerá o nosso diálogo hoje. Que o Espírito Santo nos ilumine.
1º Momento: leitura do texto de "RUPTURA" (distribuir o texto "RUPTURA") (Texto 7)
2º Momento: (preparação pessoal para o diálogo). Cada pessoa terá um momentopara refletir sobre os seguintes questionamentos:
- Qual o meu maior defeito? / - Qual a minha maior qualidade?
- O que mais me agrada na maneira de ser do meu cônjuge?
- Em que eu gostaria que ela (e) mudasse, visando o seu crescimento?
- O que mais nos une? / - O que mais nos separa? Por que?
- Quais as maiores dificuldades que temos na educação de nossos filhos?
3º Momento: (confronto de idéias entre o casal)
- Cada casal terá um tempo, para refletir a dois, o que refletiram a sós, cada um sabendo ouvir o outro com caridade e humildade no falar.
4º Momento: - (proposta de mudança)
- Diante do que você falou, em que eu não concordo? Por que?
- Em que eu me proponho mudar, para termos um melhor relacionamento?
- Que esforços devemos fazer juntos, para uma união mais perfeita?
06. ORAÇÃO DE AGRADECIMENTO - (pelo diálogo realizado na presença de Deus)
07. TAREFA DE CASA (ler e refletir em casal o texto: "O MISTÉRIO INSONDÁVEL DA EXISTÊNCIA DE DEUS" (Texto 8)
- Responder por escrito: - "QUEM É DEUS PARA VOCÊ?" - "COMO VOCÊ SE SINTONIZA COM DEUS?"
08. AVISOS
09. CANTO
10. ORAÇÃO FINAL
11. LANCHE


Texto 07

RUPTURA


AMAR
é estar atento ao outro,
procurar e querer seu bem, sua felicidade;
alegrar-se com sua alegria e com o que lhe agrada.
Não cobrar o que nos deve, mas lembrar sempre
aquilo que nós deixamos de dar.
É olhar o outro com olhos tais
que suscitem nele a alegria,
evoquem possibilidades insuspeitadas,
comuniquem novas forças.
AMAR
é também alegrar-se ao receber de volta o olhar do outro,
que é o melhor dom de um coração para o outro.
AMAR
é ainda partilhar, mais pelo espírito
que pela palavra;
é dialogar, pôr em comum o que se pensa e também o que se espera,
ou o que se teme ou se receia,
não aceitar o que separa,
não se resignar em guardar só para si
uma desconfiança, um rancor,
a mágoa de uma palavra que nos foi dita.
AMAR
é saber pedir perdão e perdoar de coração,
tanto quanto espontaneamente se perdoa a si próprio.
AMAR
é saber apontar ao outro
um defeito seu, do qual não se ousa falar
- sobretudo se for grave -
ainda que deva ser dito com prudência,
no momento oportuno, na hora certa.
AMAR
é esperar juntos, querer progredir juntos,
amadurecer juntos, e, às vezes, juntos sofrer,
abrindo a dois os corações aos infinitos apelos dos outros,
do mundo e de Deus.
Nós vamos hoje fazer o nosso diálogo conjugal na presença de Cristo, que desde o dia do nosso casamento se faz presente na nossa vida a dois. É na presença d’Ele, portanto a três, que acontecerá o nosso Diálogo hoje. Que o Espírito Santo nos ilumine!


Texto 08

O MISTÉRIO INSONDÁVEL DA EXISTÊNCIA DE DEUS

Dezembro de 1968. Uma cápsula espacial habitada, contorna pela primeira vez a lua. O mundo inteiro olha. O mundo inteiro está à escuta... E ouve os astronautas da Apolo 8 - Andrew, Lowel e Borgman - lerem em voz alta a primeira página da Bíblia: "No princípio, Deus criou o céu e a terra..." Então disse Deus: "Haja luz". E houve luz. Viu Deus que a luz era boa e separou as trevas da luz... Disse Deus: "Haja luzeiros na abóbada do céu para distinguir o dia da noite... para projetar luz sobre a terra". E assim foi. Portanto, Deus faz os grandes luzeiros: o luzeiro maior para dominar o dia e o luzeiro menor para dominar a noite, e as estrelas...
Depois Borgman, especialista em Astronáutica, mas que também era leitor da equipe litúrgica de sua Paróquia, acrescenta: - Dai-nos ó Deus, a possibilidade de ver vosso amor no mundo, não obstante os defeitos humanos. Dai-nos a fé, a confiança, a bondade, apesar de nossa ignorância e fraqueza. Dai-nos o conhecimento para que possamos continuar a rezar com corações compreensivos...
O homem no ápice de sua ciência... e que confessa Deus...
O homem no auge de seu poder... e que dá glória a Deus...
O homem em pleno domínio de sua técnica... e que suplica a Deus, não para que dirija sua cápsula, mas que transforme seu olhar e seu coração.
Deus presente no mundo e no espaço. ...
E, no entanto a crer em nossos sentidos, Deus não existiria. Pensam alguns que se Deus existisse, sua existência salvaria à vista. Muitos outros eliminam Deus de suas vidas, por não o haverem encontrado na rua ou num canto escuro de uma capela. Outros, desta vez, crentes, julgam que qualquer espírito honesto pode conhecer a Deus sem hesitação ou dificuldade. Assim sendo, os ateus seriam desonestos ou imbecis. Não é assim tão simples...
O Vaticano I explica que o homem pode chegar pela razão a um conhecimento certo da existência de Deus. Isso, porém supõe que o ar ambiente não esteja poluído pelo ateísmo e que os crentes e suas Igrejas não apresentem uma imagem inaceitável de Deus pelos seus falsos testemunhos de vida. Não se pode falar de provas, mas de vias de aproximação de Deus através da razão. Deus não quer expor-se com evidência, como dois e dois são quatro. Ele quer a fé... Caso contrário, todas as pessoas afirmariam a existência de Deus como afirmam que a Terra gira em torno do Sol. A existência de Deus por conveniência d’Ele não é assim tão evidente. Ele é um Mistério Insondável.
Ninguém jamais viu a Deus; afirma São João. Mas ainda: nenhum instrumento, nenhum microscópio eletrônico, nenhum radar especial jamais detectou Sua presença. Daí conclui-se que Deus não existe? Seria lamentavelmente simples. No entanto uma coisa nos parece certa: Se Deus existe só pode ser invisível... De um lado por ser puro espírito, de outro lado, por que sendo Amor, Ele não arromba as portas... Quer que elas se abram livremente.
Deus é um Deus oculto porque é Deus, para além de todas as nossas palavras, fórmulas, imagens, comparações. Além das nossas provas, dos nossos raciocínios. Além de nossas carências e de desejos... Portanto crer em Deus envolve a vida: como respirar, conhecer, compreender alguém; como amar e ser amado, como acolher e dar-se... Deus não é um objeto a ser inventariado e sim uma Pessoa que nos chama a entrar em comunhão com ela. É por isso que Deus só se dá a conhecer no íntimo da vida das pessoas e dos povos, no interior de uma busca jamais terminada, pois devemos buscar a Deus sempre e cada vez mais.
São João afirma que ninguém jamais viu a Deus, mas Jesus, o Filho Unigênito, este O deu a conhecer: "Quem me vê, vê o Pai".
Jamais vimos a Deus, mas se nós cristãos acreditamos é porque nos foi revelado e de maneira convincente. Deus tomou a palavra na história. Deus interpelou o homem para dizer-lhe que existe, para revelar-lhe Seu Nome, para desvendar-lhe Seu Amor, Seus Projetos. Deus poderia ter deixado simplesmente que o homem suspeitasse de Sua existência pelas maravilhas da criação, mas não! Por amor, Ele irrompeu no mundo dos humanos. Primeiro falou a Abraão e a seus filhos. Depois a Moisés na sarça ardente. Depois ainda a todo o povo de Israel e finalmente revelou-se na humanidade visível e palpável de Jesus: Deus feito homem! Anunciado nas Escrituras, encarnado na história há dois mil anos atrás, na Palestina, morto sob Pôncio Pilatos, ressuscitado e glorificado, sempre presente na Igreja, sempre atuante no mundo... Eis a fonte do cristianismo!

Deus é um mistério e devemos respeitá-Lo o bastante para não pretender compreendê-Lo como a uma página de jornal...

(Texto embasado na obra de Rey-Mermet: A Fé explicada aos Jovens)