EXPERIÊNCIA COMUNITÁRIA

6ª REUNIÃO: MOTIVAÇÃO "O PROJETO DE DEUS E A CONDIÇÃO HUMANA" - 1ª PARTE

ROTEIRO


1. CANTO INICIAL
2. INVOCAÇÃO À TRINDADE / ORAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO
3. ORAÇÃO: - Texto: Jo 14, 8-15
- Oração espontânea sobre o texto / Intenções particulares / Oração litúrgica
4. CO-PARTICIPAÇÃO - DIÁLOGO CONJUGAL (feito em casa)
(retrospectiva feita pelo casal coordenador)
- Terminamos a parte de Temas vivenciais. Passamos a Temas catequéticos, mas nessa reunião faremos a retrospectiva de nossa caminha.
- Vimos a história do casamento, de cada um, o caminho percorrido na vivência do dia a dia como construção do projeto inicial.
- Redescobrimos que o amor humano é um mistério, como é um mistério o "PORQUE NOS CASAMOS". Percebemos pelo que vimos que no matrimônio deve existir sempre a busca da felicidade do outro e que a unidade, a harmonia do casal, depende do trabalho desenvolvido pelos dois sobre as diferenças entre ambos.
- Vimos depois que este projeto de vida a dois no casamento está profundamente alicerçado no amor, e não basta nos convencermos teoricamente disto, nós temos continuamente de reavivar a riqueza deste exercício buscando sempre conhecer, compreender e aceitar o cônjuge, para amá-lo cada vez mais.
- Trata-se de conhecer as diferenças para cultivá-las a serviço do matrimônio e não simplesmente para anulá-las, sem esquecer que o homem e a mulher são dois seres correlatos e complementares.
- Vimos também que o casal efetiva seu projeto através do diálogo, uma das mais eficazes estratégias para o conhecimento mútuo e para conseguirmos ser "um pelo outro". E isto exige treino, para que o nosso casamento, no lugar de ser encontro não se transforme num enfrentamento.
- Questionamento: "Que progresso fizemos no nosso relacionamento a dois nesse período de EXPERIÊNCIA COMUNITÁRIA?"
5. TEMA DE ESTUDO - "O MISTÉRIO INSONDÁVEL DA EXISTÊNCIA DE DEUS"
- QUEM É DEUS PARA VOCÊ? - COMO VOCÊ SE SINTONIZA COM DEUS?
6. TAREFA DE CASA - "O PROJETO DE DEUS E A CONDIÇÃO HUMANA".
- Refletir, observar e anotar o que mais lhe chamou atenção neste texto.
- Tentar viver a proposta de conversão sugerida ao término dele.
7. AVISOS
8. CANTO
9. ORAÇÃO FINAL
10. LANCHE


Texto 09

PROJETO DE DEUS E A CONDIÇÃO HUMANA

Nós somos imagem e semelhança de Deus e assim como fazemos um projeto de vida, que envolve sonhos e expectativas, também Deus tem um projeto de vida para nós, que envolve uma única realidade: a nossa salvação.
Ele nos criou superiores às outras criaturas da natureza e nos permitiu reinar sobre elas, administrá-las. A nossa racionalidade nos permite chegar a explicações científicas sobre o passado, a origem do homem, aumentando cada vez mais a nossa dominação sobre o Universo. Isto tudo constitui a grandeza do homem, sua dignidade e seu valor acima das coisas da natureza. E essa racionalidade nos leva também ao conhecimento de Deus e de seu plano para nós, mas nunca somente pela razão chegaremos a provar a Sua existência. É preciso o dom da fé e a prática da religião.
Religião significa re-ligação com Deus e seu plano. Portanto viver a religião é estarmos constantemente ligados a Deus.
No entanto, para compreendermos a dimensão do plano, do projeto de Deus para nós é necessário que a Ciência e a Religião estejam interligadas e coerentes. A Ciência desenvolvida pelo homem explica cada vez mais e amplia a cada dia o horizonte do conhecimento, mas não explica tudo. É a Religião que vai dar sentido à vida, esse grande mistério que Deus nos oferece...
Como criatura de Deus o homem tem uma vocação e uma missão específica, porque no projeto de Deus cada pessoa tem a sua função.
Para viver o projeto de Deus, inicialmente o homem precisa reconhecer sua pequenez diante do mistério de Deus, para poder querer crescer, superar-se assumindo assim uma co-responsabilidade de manter e melhorar tudo o que foi criado por Deus: o Universo de todas as criaturas. É essa a nossa missão.
Poderemos desenvolver e realizar esta missão porque somos vocacionados - chamados por Deus para uma conversão pessoal, conjugal e comunitária.
Fazemos, portanto parte do plano de Deus, esse Deus que é Pai e Pai amoroso, cujo amor impregna todo o universo, fazendo com que todas as criaturas sejam boas. Essa bondade se manifesta na prestação de serviços, que obedece às leis da natureza e que têm um propósito construtivo: o mineral serve ao vegetal, o vegetal ao animal e a todos os homens.
O que o homem chama através do conhecimento científico de "leis da natureza" são manifestações de uma harmonia que culminará na criação e crescimento do próprio homem, a quem Deus deu a consciência e a capacidade de amar.
Mas Deus não é só Amor. Ele é também a Liberdade Plena. Ele quis que o homem como Ele (á sua imagem e semelhança), tivesse também esta plena liberdade. Assim o homem é livre para sintonizar-se com Ele, ou não. Pode voltar-se para Deus ou se quiser dar-lhe as costas.
O homem está destinado à prática do bem, do serviço aos irmãos, aos cuidados construtivos com todas as criaturas para a edificação do Reino.
Então o homem é livre para caminhar ao encontro de Deus ou não. Não colaborando no plano de criação o homem pode transformar-se em elemento de desunião e desarmonia. Isto é o pecado, ou seja, deixar livremente e conscientemente de participar do plano de amor que Deus fez para a humanidade. A fragilidade do homem de ir livremente para Deus, decorre, em parte, de sua própria natureza imperfeita, que quer buscar a perfeição. Deus, conhecedor desta fragilidade humana nos dá elementos necessários para nossa transformação e a oportunidade de conhecê-Lo.
E quando queremos conhecer alguém temos que ir a ele, fazê-lo falar, escutá-lo bem. Assim ficaremos sabendo mais sobre ele do que pelo jornal ou pelo quem é quem ou por um tratado de Psicologia ou Filosofia. Da mesma forma, só Deus poderá falar corretamente d’Ele. Se queremos conhecê-Lo como Ele se quer revelar, temos de ler e reler a Bíblia que é o livro da história de Deus e do homem. Ele se revela lá, pelos patriarcas, profetas e finalmente pelo Cristo Jesus Filho de Deus que se fez homem, exatamente para nos revelar o Deus Pai e para nos indicar os caminhos de salvação que nada mais é do que a realidade daquilo para o que fomos criados: Sermos felizes.
Jesus veio nos ensinar a passar (Páscoa) do homem velho que somos (Adão) para o homem novo (Cristo).
É nessa passagem do Homem Velho para Homem Novo que se dá a nossa conversão a cada dia, através da vivência do amor, da paciência, da caridade, da justiça, do serviço, do perdão e da aceitação.
Deus nos colocou numa família em solidariedade com os irmãos mais próximos e com os quais aprenderemos a amar os mais distantes.
Assim o próprio Deus é uma Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo), a família é a pequena Igreja, o pequeno lugar onde se começa desde pequeno o exercício de viver a fraternidade. A Igreja Doméstica é a primeira célula da Igreja Universal.
Deus, na sua grandeza não precisa do homem para ser o que Ele é, mas busca-o com amor infinito. O homem por seu lado só é verdadeiramente homem quando é de Deus. E por isso, debate-se com Aquele que não conhece, Deus, mas com o qual sonha e a quem deseja. E juntos fazem uma história comum.
Deus quer salvar o homem. Para tanto surpreende a imaginação humana com Seu infinito mistério e o mais surpreendente: É justamente a encarnação do próprio filho Jesus, que armou sua tenda em nossa terra e cobriu-se com a poeira de nossas estradas. Deus amou tão loucamente os homens que entregou Seu Filho à morte, o qual morreu de paixão por eles.
O pior é que isto nem sempre nos toca. O homem parece ter um ouvido aberto aos apelos de Deus e outro aberto às insinuações da serpente, ou seja, as tentações do mundo. Por isso, a história da humanidade conhece aproximações e distanciamentos de Deus. E por mais que o homem seja infiel a Deus, Ele sempre os abençoa, porque o amor de Deus não se irrita, não exige
retorno, não guarda rancor, nem é interesseiro. Ele está sempre de braços abertos à espera de seus filhos pródigos.
________________________________________
PROPOSTA DE CONVERSÃO
Vamos neste mês (quinzena) treinar na passagem do homem velho ao homem novo, escolhendo um aspecto de nossa vida que nos incomoda e procuremos ser melhor, vencendo essa limitação.